Morte súbita

Passou o dia com os netos, filho e nora até ao anoitecer e seguidamente por volta das 21:00 horas seguiu para sua casa onde, na manha seguinte foi encontrado morto.

Quando a guerra estava intensa em 1985,recolheu a sua esposa e seus 2 filhos tendo rumado para Quelimane. Alugou uma casa e se instalou, com o tempo foi se organizando e pôs os filhos a estudar. Max, o nome com o qual era mais conhecido, fez amizades e muitas pois, era muito simpático e humilde e até crianças habituaram no.

Teve mais duas crianças, o filho mais velho libertou se da casa do pai e se juntou a uma mulher com a qual passou a viver. O segundo filho formou se e trabalha no comando, também casou e “desmamou”.

O primogênito de Max, mesmo depois de fazer o nível médio, não conseguiu emprego e preferiu arranjar um negocio para o sustento seu e dos seus. Mas, surgiram rumores acerca dos negócios deste pois na família sempre havia parentes dementes e ele era acusado de ser o promotor para, alegadamente, alimentar os seus negócios tradicionalmente.

As acusações agravaram se quando a sua última irmã, também, começou a ter problemas psicológicos. O segundo filho de Max, também já casado, teve uma filha que morreu estranhamente aos 3 anos de idade também imputado ao primogênito de Max sob mesmas alegações. Numa manha com uma amiga da sua idade, a miúda como sempre foi brincar e no regresso, cairá alguma chuva e havia poças de agua em alguns sítios, caiu numa das poças sem profundidade nenhuma tendo se afogado e perdido a vida.

O primogênito de Max, sente se afastado da família por essas alegações. Os vizinhos murmuram mas, ele, firme continua a fazer seu negocio.

No dia da criança (1 de Junho),o primogênito do Max, organizou uma festa e convidou a sua família para passarem juntos. A mãe, que naquela manha havia discutido com o pai e se deslocara à Licuar chateada, não esteve presente. Max, por volta das 18:00 horas, juntou se ao filho, nora e netos na companhia da sua ultima filha(doente mental, que entretanto abandonou o convívio minutos depois e voltou a’ casa) montado na sua bicicleta nova.

Para além da família, havia alguns curiosos. O primogênito de Max havia rompido a sociedade que tinha, de negócios, com o seu colega e estavam em pé de guerra sobre quem teria se apropriado de maior parte dos lucros.

Cerca das 21:00 horas, Max, aparentemente lucido, despediu se dos seus montou a sua bicicleta e foi se.

Na manha seguinte, como sempre o fazia, o primogênito de Max passou da casa deste para sauda-lo. A porta estava aberta, ele entrou chamando pela irmã e o pai mas ninguém o respondia, na sala insistiu chamando pelos dois mas nem sinal deles  foi então, que teve a ideia de se dirigir ao quarto do pai.

Não viu o pai na cama e nem a bicicleta deste que sempre ficava no seu quarto, mas um vulto no chão chamou o atenção.

Aproximou se e, era o pai. Tentou acorda-lo, pensando que talvez ainda continuasse sob efeitos de álcool mas, nada. Saiu para fora, pediu a ajuda de vizinhos idosos que quando entraram e o viram disseram lhe o que não gostaria de ouvir, que o pai estava morto.

A vizinhança, também, não acreditava pois na noite anterior ouviram no ralhar com a sua filha dentro de casa. O primogênito e vizinhos tentaram saber da filha, a doente mental, estava em casa e ali passou a noite sobre se apercebeu se de algo estranho mas, ela não sabe explicar nada.

As desconfianças e murmúrios aumentaram quando se espalhou a noticia da morte de Max. Será o primogênito, a mulher, os intrusos que estavam na festa, o amigo do filho que está em pé de guerra com este, ladrões, auto envenenamento mas, e a bicicleta?

Fala se um pouco de tudo a proposito dessa morte súbita do velho Max.

 

Posted by on Junho 10, 2016. Filed under Opinião. You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0. You can leave a response or trackback to this entry

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

FOOTER - RIGHT