EUA: Autora do tiroteio na sede do YouTube era ativista e blogger

Já foi identificada a autora do ataque desta terça-feira na sede da empresa YouTube.  Nasim Aghdam, 39 anos, ativista, vegan e blogger. Fazia vídeos para uma conta que tinha na plataforma YouTube, num dos últimos acusava a empresa norte-americana de discriminação. "Atacaram a minha conta pessoal, recentemente." disse a atiradora.

Vivia em San Diego, cidade a sete horas de carro de Sillicon Valley, local onde disparou contra 3 pessoas, momentos antes de se suicidar. Os vizinhos falam de Nasim como alguém discreto. Os três feridos do tiroteio são duas mulheres e um homem, o qual está em estado grave.  Mal surgiu o alerta, todo o edifício foi evacuado. A diretora do YouTube deixou no Twitter palavras de apoio a quem viveu o ataque de perto. "Não há palavras para descrever o que aconteceu (...) vamos ultrapassar isto como uma família", disse. Um ataque à mão armada, uma semana depois dos EUA ser palco de uma das maiores marchas de sempre contra o uso de armas de fogo.

AI

Partilhe nas Redes Sociais

Submit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Já foi identificada a autora do ataque desta terça-feira na sede da empresa YouTube.  Nasim Aghdam, 39 anos, ativista, vegan e blogger. Fazia vídeos para uma conta que tinha na plataforma YouTube, num dos últimos acusava a empresa norte-americana de discriminação. "Atacaram a minha conta pessoal, recentemente." disse a atiradora.

Vivia em San Diego, cidade a sete horas de carro de Sillicon Valley, local onde disparou contra 3 pessoas, momentos antes de se suicidar. Os vizinhos falam de Nasim como alguém discreto. Os três feridos do tiroteio são duas mulheres e um homem, o qual está em estado grave.  Mal surgiu o alerta, todo o edifício foi evacuado. A diretora do YouTube deixou no Twitter palavras de apoio a quem viveu o ataque de perto. "Não há palavras para descrever o que aconteceu (...) vamos ultrapassar isto como uma família", disse. Um ataque à mão armada, uma semana depois dos EUA ser palco de uma das maiores marchas de sempre contra o uso de armas de fogo.

AI