Circular nas imediações da Reserva do Gilé pode dar Cadeia

A decisão já foi tomada e agora resta implementar por parte dos gestores da Reserva e também das autoridades policiais. É que nos últimos tempos, a Reserva do Gilé tem sido local escolhido pelos furtivos que à todos custo fazem abates descriminados da madeira, sobretudo espécies proibidas e animais que estão naquela Reserva.

Cansados de falar apenas, eis que a direcção da Reserva do Gilé veio ao público anunciar que quem for encontrado a circular nas imediações da Reserva do Gilé sem justificar as motivações pode ser preso pelas autoridades policiais.

A informação foi transmitida por José Dias, administrador daquela Reserva que sublinhou também que a medida veio para ficar, tudo na esperança de proteger aquela área de conservação da natureza. A Reserva do Gilé tem sido alvo preferencial dos furtivos.

Nos últimos tempos, reportam-se episódios estranhos de madeira abandonada e apreendida para além de espécies de animais que são abatidos e também abandonados. É por isso mesmo que já não há perdão para os que tentarem desfiar esta medida. Recorde-se que a Reserva do Gilé situa-se no distrito com mesmo nome, há cerca de 500 km da capital provincial da Zambézia, Quelimane.

Partilhe nas Redes Sociais

Submit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

A decisão já foi tomada e agora resta implementar por parte dos gestores da Reserva e também das autoridades policiais. É que nos últimos tempos, a Reserva do Gilé tem sido local escolhido pelos furtivos que à todos custo fazem abates descriminados da madeira, sobretudo espécies proibidas e animais que estão naquela Reserva.

Cansados de falar apenas, eis que a direcção da Reserva do Gilé veio ao público anunciar que quem for encontrado a circular nas imediações da Reserva do Gilé sem justificar as motivações pode ser preso pelas autoridades policiais.

A informação foi transmitida por José Dias, administrador daquela Reserva que sublinhou também que a medida veio para ficar, tudo na esperança de proteger aquela área de conservação da natureza. A Reserva do Gilé tem sido alvo preferencial dos furtivos.

Nos últimos tempos, reportam-se episódios estranhos de madeira abandonada e apreendida para além de espécies de animais que são abatidos e também abandonados. É por isso mesmo que já não há perdão para os que tentarem desfiar esta medida. Recorde-se que a Reserva do Gilé situa-se no distrito com mesmo nome, há cerca de 500 km da capital provincial da Zambézia, Quelimane.